terça-feira, 23 de novembro de 2010

O segredo é se livrar da trouxa...

A vida às vezes nos surpreende com momentos e situações geradoras de uma felicidade descomunal. Como eu já disse em textos anteriores, pra mim o sentido da vida é pra frente, não fico procurando teses filosóficas, hipóteses psicodélicas para justificar o meu estado permanente de satisfação.
Descobri que ser grato em qualquer situação pode ser revigorador, impulsiona as pernas da vida a seguir adiante. Se me mantenho fechada e mergulhada num poço de mágoa e amargura, minha história dá passos largos para trás e a vida perde seu SENTIDO natural.

Enquanto minha boca proferia palavras mesquinhas de ingratidão e de desgosto, minha biografia ia sendo redigida à base de tinta em tons escuros num papel velho, mofado e cheio de imperfeições. Até que percebi que para ser feliz e realizada bastavam-me apenas duas coisas, perdoar e esquecer.
Quando eu realmente comecei a viver esses princípios, posso afirmar que toneladas saíram de minhas costas, o fardo ficou mais leve e a mobilidade passou a ser uma tarefa mais prazerosa e simplificada. Andar é bem mais fácil quando não temos uma trouxa de mágoas para carregar.

A gente tem uma facilidade de guardar coisas ruins, enquanto que coisas boas ficam lá, guardadas no fundo da memória, um fato que eu considero injusto e tolo de nossa parte, pois os livros de nossas boas memórias deveriam ficar expostos nas prateleiras mais visíveis e num lugar de mais prática acessibilidade, onde possam ser achados com extrema facilidade e apreciados com mais freqüência.

Eu decidi perdoar e fiz questão de esquecer muitas situações desagradáveis e tristes, ficar relembrando certas coisas só vão adoecendo os ossos e tornando a caminhada mais dolorosa e cansativa. Vivo sorrindo, e o melhor é que não preciso de um motivo ou de um incentivo, só preciso sentir o ar invadir minhas vias respiratórias e estufar o meu peito, confirmando que a vida ainda permanece firme em mim...

O meu conselho é que a gratidão seja algo real,  algo vivido com intensidade e verdade, que o perdão passe de apenas uma palavra para uma atitude consciente e permanente, e que o ato de esquecer fatos ruins seja encarado, não como uma maneira de se esquivar dos problemas, mas como uma estratégia mais inteligente e rápida de se lembrar que ainda existe vida e que ela precisa ser vivida...

Portanto,

Vá e não peques mais...

'Glenda Barros

5 comentários:

Cláudia disse...

Glenda,

Custo a acreditar que a minha escritora preferida tem apenas 22 anos de idade. Tão jovem e com tamanha sabedoria!
Parabéns, o texto ficou excelente e com uma super energia que, certamente, fará bem a todos os seus leitores.
Beijo,
Cláu

AC disse...

"perdoar e esquecer."
Muito bem, Glenda, este conceito encerra em si muita sabedoria..

Beijo :)

Ana Paula Porto disse...

Olá Glenda!
Menina que idéias interessantes, que ótimos textos parabéns viu. Estou te seguindo para poder compartilhar de tantas boas idéias. Abraços!
Ana Paula Porto Luna.

http://anapaulaporto29.blogspot.com/

Tais Luso disse...

Glenda, ouvi milhares de vezes, que as doenças são psicossomáticas. E são. Adoecemos de duas maneiras: pela boca e pela cabeça. Gosto do jeito que sou, não guardo mágoas; se a criatura se ‘achega’, se noto que ela quer dar fim ao ‘caso estúpido que gerou’, coloco um paninho em cima e fim. Não faço isso por ela, e nem tenho muito mérito, minha estrutura é esta. Pobres daqueles que ficam remoendo mágoas por anos a fio. Digo isso sentido quando você falou em ‘ingratidão’, uma das piores coisas pra mim.
Beijão
Tais luso

M. Sueli Gallacci disse...

nossa, lindo, amei.

Saber perdoar é uma arte, um dom, uma dádiva! Pena que é muito difícil.
Vc levantou uma questão muito séria pra mim, sobre não guardar ressentimentos e esquecer. Vivo me perguntando o que significa perdoar realmente. Significa esquecer, apagar totalmente da memória? Sim, a mágoa se vai, mas ainda lembramos. Eu, pelo menos.

Se perdoar significa esquecer, nesse caso eu não perdôo jamais, pois não esqueço. Passa anos e eu ainda me lembro.

De repente eu só tenho boa memória rsrs.
Um bjo enorrrrrrrrrme menina perdoadora!

Ps.: vc posta muito, eu não tô dando conta, tenha piedade de uma senhora idosa que caminha com seus passos lentos... rsrsrs